O termo ‘’body shaming’’ é recente e significa em português “vergonha do corpo”. 


O body shaming se refere a ataques destinados aos corpos de pessoas pelas redes sociais. 


Apesar de qualquer um estar sujeito ao body shaming, as mulheres sem dúvidas sofrem mais com comentários maldosos feitos por internautas. 

Pressão Estética

A pressão estética que o corpo feminino sofre só vem crescendo a cada dia, um padrão inalcançável de beleza é cobrado de maneira desenfreada. 


Os julgamentos sobre os corpos alheios são comuns através de olhares e comentários grosseiros feitos por familiares, amigos, etc. 


Além de passarem por situações constrangedoras no dia a dia, as mulheres ainda sofrem ameaças, críticas e julgamentos nas redes sociais, de maneira ainda mais agressiva. 


A internet virou “terra de ninguém", as pessoas se sentem no direito de falar o que bem querem sem o mínimo de respeito por quem está do outro lado da tela. 


Geralmente esses ataques são destinados à pessoas públicas, que utilizam as redes sociais como trabalho ou para divulgação do mesmo. 


As pessoas têm a visão de que pelo fato de uma mulher estar em destaque na mídia ela é obrigada a se encaixar em todos os parâmetros de “mulher bonita” criados pela sociedade. 

Body Shaming em Famosas

Um exemplo de artista que frequentemente sofre body shaming nas redes sociais é a cantora Camila Cabello. 


Após ser flagrada por paparazzis se exercitando ou se banhando no mar, a cantora recebeu uma enxurrada de comentários absurdos sobre sua aparência. 


Isso tudo porque Camilla estava com o corpo a mostra, se sentindo totalmente confortável com suas curvas mesmo não estando com um corpo magro. 


Apesar de haver muitas ofensas destinadas à mulheres gordas, o body shaming também interfere na qualidade mental de mulheres magras. 


Isso ocorre porque a expectativa de corpo ideal é tão grande que existe uma linha tênue de medidas corporais que não pode ser ultrapassada.  


A atriz Bruna Marquezine é uma das mulheres que recebe constantes comentários a respeito de sua magreza.


Algumas pessoas ainda criam contextos falsos e perigosos relacionando seu corpo com transtornos alimentares. 


Os distúrbios alimentares podem fazer parte das consequências de toda essa destilação de ódio.


Algumas pessoas acabam se sentindo tão inseguras com seus corpos que os maltratam de forma cruel. 


A anorexia e bulimia são exemplos de doenças que se manifestam após o culto excessivo do corpo, distorção da imagem, sentimentos de culpa, baixa autoestima, etc. 

Body Positive

O movimento contrário do body shaming se chama “body positive” e se trata de incentivar a aceitação das diferenças. 

O body positive traz a ideia de que ninguém é obrigado a se sentir mal por não cumprir com as expectativas superficiais que são impostas. 


A mulher que segue o movimento body positive foca simultaneamente em se sentir bem fisicamente e mentalmente.


Compreender que corpos têm formatos e tamanhos diferentes e que isso não é nenhum problema é fundamental para a autoaceitação e o bem estar.